Associação de Estudantes da Faculdade de Medicina de Lisboa
IMG 0532

Quinta-feira, 9 de Novembro de 2017

 O tempo desvanece-se pelos meus dedos

Escorregadio, traiçoeiro e fugaz

Às vezes penso voltar atrás, em analepse

Nas palavras e nos comportamentos

Porque ele de sanidade carece

Nos pensamentos enlouquece

E mais tarde esquece-se

Que se tinha tanto para viver.

 

O tempo desvanece-se pelos meus dedos

Quando terminas o curso? – perguntam

O silêncio escutam e auscultam

Sei lá eu quando, sei lá eu

E se eu quiser que não termine nunca? – pergunto

Os seus males espanto, enquanto

Palpo todos os terrenos áridos

E percuto os sonhos ávidos

De ambição e de medo de serem acordados

Em sobressalto por não serem eternos.

 

O tempo desvanece-se pelos meus dedos

Enquanto percorro os corredores longínquos, vazios ao alto

Disfarçada de bata branca e estetoscópio cervical

De alma cheia por percorrer assim tais corredores, imperial

Com um traje que lisonjeia e ostenta sabedoria

Saberei eu coisa alguma, na verdade?

Tenho tanto medo que não.

 

O tempo desvanece-se pelos meus dedos

Os momentos e os instantes passam e não voltam

Os amigos ficam e permanecem

Ou talvez também se esquecem

Dos momentos que não voltam

E revoltam o tempo escorregadio

Que se encurta a cada passo

Mostrando que é efémero e que nada é eterno compasso.

 

O tempo desvanece-se pelos meus dedos

Quando as forças me falham

E se deixam dominar pela astenia

Que afoga em dúvida a vontade

E a capacidade de seguir com mestria

A ambição do sonho eterno que é efémera

E que em rebeldia eternizo em caligrafia.

 

O tempo desvanece-se pelos seus dedos

Quando relembram numa noite os momentos

Os momentos que não voltam

Naquela que dizem ser “a melhor noite do ano”

Onde com a sátira entidades revoltam

E convocam as memórias dos momentos

Os momentos que não voltam

E as forças que venceram a astenia

E afogaram a dúvida da vontade

E da capacidade de seguir com mestria

A ambição do sonho eterno

Que em nada é efémera, na verdade.

 

Inês de Sousa Miranda, 5º ano
Ilustração: Sofia Pessoa Jorge, 3º ano