Associação de Estudantes da Faculdade de Medicina de Lisboa
Banner Voluntariado

Sim, é possível, e apenas tens que usar um pouco do teu tempo para ficar a conhecer o Serviço de Voluntariado Europeu (EVS), um programa da Comissão Europeia aberto a todos os jovens entre os 17 e os 30 anos, incluindo a jovens com incapacidades, e que te permite fazer voluntariado numa organização sem fins lucrativos num período que varia entre 2 semanas e 12 meses. Os projetos de voluntariado abrangem as mais diversas áreas, desde projetos culturais, desportivos, com crianças, idosos ou pessoas com incapacidades, artes, ambiente, proteção animal, património, saúde, cooperação, etc. O programa faz parte do Erasmus+, dentro do projeto Youth in Action, e ao longo dos últimos 20 anos já apoiou mais de 100 000 voluntários. A maior parte dos projetos ocorre em países europeus, contudo, existem alguns projetos desenvolvidos noutros continentes.

Que custos é que o programa cobre?

O programa cobre os custos do alojamento, das refeições básicas diárias, um seguro, apoio linguístico (aulas e manual da língua do país de destino) e ainda algum dinheiro de bolso (valor calculado em função do nível de vida do país de destino). Pelo menos uma parte dos custos da viagem do país de origem para o país de destino e da viagem de volta são também cobertos pelo programa.

Como é que funciona?

Um projeto de EVS resulta da colaboração entre duas ou mais organizações promotoras, que estão responsáveis por recrutar voluntários para os seus projetos e orientá-los ao longo da sua experiência. Desta forma, existem organizações de envio, que enviam voluntários (preparam-nos, apoiam-nos nas questões logísticas, …), organizações de acolhimento, que acolhem os voluntários (sendo, por isso, responsáveis pelo desenvolvimento e acompanhamento do projeto de voluntariado e por todo o apoio no local) e, ainda, organizações coordenadoras (que dão apoio na logística e na resolução de problemas às organizações de acolhimento).

Como é que me posso inscrever?

Para te candidatares a um programa de EVS tens três opções: ou contactas uma organização de acolhimento que esteja à procura de voluntários; ou contactas uma organização de envio para tomares conhecimento de projetos disponíveis; ou contactas uma organização para discutir o começo de um projeto (embora esta seja a opção menos comum). Para contactares organizações de envio e de acolhimento basta consultares a base de dados das organizações acreditadas pela Comissão Europeia.

De seguida, deves enviar para a organização de acolhimento que irá desenvolver o projeto que te interessa um Curriculum Vitae, uma carta de motivação, e qualquer outra informação que consideres relevante. Caso tenhas despertado o interesse da organização, eles contactar-te-ão para a realização de uma entrevista ou de perguntas adicionais, e, finalmente, dar-te-ão uma resposta final na qual te dizem se aceitaram ou não a tua candidatura.

É importante salientar que a maior parte dos projetos não requer experiência prévia nem o conhecimento da língua do país de destino, embora por vezes estes possam ser solicitados. Os critérios mais relevantes na escolha de um voluntário por parte da organização de acolhimento são a sua motivação, interesse e desejo em participar no projeto. Aspetos e experiências que demonstrem características e capacidades pessoais relacionadas com o tema e a exigência do projeto são sempre uma mais valia.

Posso candidatar-me a mais do que um projeto?

Sim, podes candidatar-te a vários projetos ao mesmo tempo, mas apenas podes participar num projeto de cada vez. Quantas mais organizações contactares, mais serão as hipóteses de que a tua candidatura seja aceite.

E o que é que eu posso retirar de um EVS?

Uma experiência que combine voluntariado e programas internacionais é, normalmente, uma mais valia, tanto para o voluntário como para a comunidade que o acolhe. Como voluntário, terás a oportunidade de desenvolver as tuas competências e conhecimentos relacionados com o tema do projeto, aprender uma nova língua, conhecer uma cultura diferente e voluntários de várias origens, potenciar as tuas capacidades de adaptação e de resolução de conflitos, viajar, …, e, como acreditação da tua participação no projeto, recebes um documento oficial denominado Youthpass, que pode ser utilizado como referência em qualquer situação futura.

Onde é que posso encontrar mais informação?

Existem inúmeros sites e grupos nas redes sociais que partilham informação acerca de projetos e organizações que estão à procura de voluntários, bem como de informação prática sobre o funcionamento do programa, tais como o European Youth Portal, o European Voluntary Service, o Find EVS, etc. Eu encontro-me também disponível para esclarecer qualquer dúvida ou dar apoio na procura e candidatura a um projeto.

… e um pouco da minha experiência pessoal

Em setembro de 2015 eu parti para a Polónia para realizar um EVS numa vila perto da fronteira com a Bielorrússia. Não sabia falar polaco, nunca tinha vivido sozinha, e não sabia muito bem o que me esperava, mas tinha a certeza de que o que eu pretendia era estar um ano fora do padrão normal do sistema de ensino para repensar o que queria estudar e quais eram as minhas prioridades. Enquanto lá estive, desenvolvi um projeto que abrangia todas as faixas etárias, desde os mais pequeninos com quem fiz expressão plástica, aos um pouco mais crescidos, a quem dei aulas de espanhol e de teatro, passando pelos alunos do secundário, com quem desenvolvi aulas de debate e a quem dei apoio nas aulas de inglês, chegando aos adultos e aos idosos a quem dei aulas de espanhol e inglês, e passando pelo grupo de pessoas incapacitadas com quem desenvolvi várias atividades semanais. Pelo meio, conheci voluntários da Arménia, da Geórgia, da Áustria, de França, da Alemanha, de Espanha, …, aprendi a falar polaco, conheci a Polónia e a Lituânia, entrei numa cultura diferente, e, acima de tudo, descobri parte de mim dando-me aos outros e expondo-me a situações singulares e desconhecidas.

Ana Napoleão, 1º ano